Ama Sc
Sistema de Busca Interno

Plano de Obama é etapa importante para acordo global sobre o clima

O plano contra as mudanças climáticas anunciado por Barack Obama foi saudado como um avanço que dá a ele credibilidade meses antes da conferência de Paris, mas os especialistas consideram insuficientes as medidas americanas para limitar a 2ºC o aquecimento do planeta.

Autoridades e analistas estimam que o plano de energia limpa de Obama, criticado pela oposição republicana, dá um sinal de boa vontade e se une aos esforços internacionais para alcançar um acordo no encontro de Paris do fim do ano.

Advertem, no entanto, que é preciso muito mais da parte dos Estados Unidos e de outras nações para voltar a encarrilar o mundo em direção ao objetivo da ONU de limitar o aquecimento do planeta a dois graus Celsius acima do nível da era pré-industrial.

O presidente francês, François Hollande, anfitrião da conferência do fim do ano, saudou a coragem de Obama e considerou que seu plano é uma etapa chave na eliminação do carbono da economia americana.

“Marca um ponto de ruptura ao fixar pela primeira vez o objetivo de redução das emissões de CO2 na produção de energia”, comemorou o presidente francês.

O plano de Washington impõe, em particular, que as centrais elétricas reduzam em 32% suas emissões de carbono até 2030.

As usinas de geração elétrica representam 40% das emissões norte-americanas de CO2, principal responsável pelo efeito estufa que está aquecendo o planeta.

Passo insuficienteOs Estados Unidos são o segundo emissor depois da China. Nenhuma das duas potências faziam parte do último acordo multinacional no tema, conhecido como protocolo de Kioto.

O acordo que será negociado em dezembro em Paris – o primeiro a envolver todos os países do mundo – incluirá os compromissos de cada um para limitar a emissão de CO2.

Os Estados Unidos se comprometeram com uma redução de 26% a 28% em relação aos níveis de 2005 até 2025, e o Plano de Energia Limpa (Clean Power Plan) é parte da estratégia para alcançar esta meta.

“Trata-se definitivamente de um avanço em relação ao que estava acontecendo até agora no setor energético dos Estados Unidos”, comentou à AFP o analista especialista em mudanças climáticas Niklas Hoehne, do New Climate Institute.

“No entanto, acrescentou, embora seja um passo importante em direção ao cumprimento do compromisso americano, por si só é insuficiente”.

Antes existia uma lacuna de 1,5 gigatonelada entre o compromisso americano em matéria de emissão de gases poluentes da meta 2025 e as medidas que estava adotando, disse Hohne.

Agora esta diferença caiu em um terço – 500 megatoneladas – ao menos no papel. “Os Estados Unidos estão mais próximos de alcançar o prometido, digamos que percorreram um terço do caminho”.

No entanto, os especialistas advertem que ainda é preciso definir como os Estados Unidos reduzirão a gigatonelada restante através de medidas adotadas em outros setores.

Além da oposição republicana, o plano de Obama foi criticado por um grupo de pressão pró-carvão (American Coalition for Clean Coal Electricity), que ameaçou com prováveis ações legais. Obama “está colocando em andamento um plano ilegal que aumentará os custos da eletricidade e deixará as pessoas sem emprego”, advertiu.

O anúncio é o início de uma cruzada ambiental que pode definir o legado de Obama.

Neste mês, o presidente democrata visitará o estado ártico do Alasca para chamar a atenção sobre o impacto das mudanças climáticas. Em setembro, receberá o papa Francisco na Casa Branca, onde está previsto que os dois façam um apaixonado apelo à ação, antes da conferência de Paris.

Fonte: Ambiente Brasil

Voltar
 Ama Sc
Downloads
AMASC - AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE - Todos os Direitos Reservados
Rua Leopoldo Ledra, 585, Santana e
Parque Universitário Norberto Frahm - Rua Herculano Nunes Teixeira, 105 - Bairro: Centro - Rio do Sul-SC - CEP 89160-000
Fones: (47) 3521-2324, (47) 3521-3000 e (47) 9951-3123
atendimento@amasc.com.br