Ama Sc
Sistema de Busca Interno

Pizzarias contribuem com a poluição do ar em SP, diz estudo internacional

Uma das maiores paixões do paulistano, a pizza pode ser um dos maiores vilões da qualidade do ar de São Paulo. Um estudo liderado pela Universidade de Surrey, na Inglaterra, com a participação de pesquisadores brasileiros, mostra que o preparo da pizza é responsável pela emissão de níveis preocupantes de carbono na atmosfera da área metropolitana da cidade.

Atualmente, São Paulo conta com aproximadamente 8 mil pizzarias, que produzem quase um milhão de pizzas por dia, segundo a pesquisa publicada na revista científica internacional Atmospheric Environment.

“Há mais de 7,5 hectares de floresta de eucalipto sendo queimados mensalmente por pizzarias e churrascarias [em São Paulo]. Um total de 307 mil toneladas de madeira é queimado anualmente”, relata o Prof. Dr. Prashant Kumar, da Universidade de Surrey, na Inglaterra. “Isso é uma ameaça significante o bastante para ser de real preocupação ao meio ambiente, negando o efeito positivo que políticas compulsórias ao uso de biocombustíveis têm em veículos”, completa.

Segundo Kumar, o estudo ainda não foi concluído, o que torna impossível afirmar qual é exatamente a porcentagem de poluição da capital, atualmente, resultante da queima de lenha em pizzarias. Entre 1996 e 1997, a combustão de biomassa, que inclui a emissão vinda dos restaurantes, era responsável por 7% da poluição na região metropolitana da capital, segundo o relatório mais recente da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) disponível.

Kumar é o responsável por chefiar a equipe de pesquisa que assina o estudo, composta por outros estudiosos sobre qualidade do ar no mundo, incluindo os pesquisadores brasileiros Maria de Fátima Andrade, Rita Yuri Ynoue, Adalgiza Fornaro e Edmílson Dias de Fretas, da USP; Jorge Martins e Leila Martins, da UFPR; e Taciana Albuquerque, da UFMG.

Intitulado “Novas direções: Dos biocombustíveis aos fornos à lenha: Os modernos e antigos desafios da qualidade do ar na megacidade de São Paulo”, o estudo explica como a queima excessiva de lenha em pizzarias, e carvão em churrascarias, trabalha contra medidas ecológicas focadas no combate à poluição, em especial a mistura compulsória de etanol na gasolina, prevista em lei federal. Atualmente, no Brasil, a gasolina deve incluir 27% de etanol em sua composição, com exceção das versões premium, que podem contar com apenas 25%.

Segundo Kumar, embora ainda seja muito cedo para afirmar que a emissão de poluentes pelas pizzarias e outros restaurantes anule efetivamente os benefícios dos biocombustíveis, elas “precisam ser consideradas em planos futuros de melhorias na qualidade do ar”.

Para Kumar, a melhor forma de combater a poluição vinda das pizzarias é reconhecê-la como um problema real. “Primeiro, [o governo deveria] fazer uma avaliação compreensível de emissões vindas dessas fontes. Segundo, deveria identificar quais são exatamente os contribuintes dominantes para a poluição e desenvolver um plano de aliviamento para eles”, conclui o pesquisador.

Fonte: Ambiente Brasil

Voltar
 Ama Sc
Downloads
AMASC - AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE - Todos os Direitos Reservados
Rua Leopoldo Ledra, 585, Santana e
Parque Universitário Norberto Frahm - Rua Herculano Nunes Teixeira, 105 - Bairro: Centro - Rio do Sul-SC - CEP 89160-000
Fones: (47) 3521-2324, (47) 3521-3000 e (47) 9951-3123
atendimento@amasc.com.br