Ama Sc
Sistema de Busca Interno

Governo lança programa nacional para monitorar biomas brasileiros

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, lançou nesta quarta-feira (25) o Programa Nacional de Monitoramento Ambiental dos Biomas Brasileiros, que vai mapear e acompanhar o desmatamento, as queimadas e os diversos usos das terras brasileiras, além de monitorar a recuperação de vegetações e coibir crimes ambientais.
O programa visa estender a todo o território brasileiro um monitoramento que já vem sendo feito na Floresta Amazônica, desde 1988, e no cerrado, desde 2002. Segundo Leonel Perondi, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais [Inpe], mais de 70% do território brasileiro já está sendo monitorado por satélites, incluindo os dois biomas.
A Floresta Amazônica é o maior bioma brasileiro e tem a maior biodiversidade de florestas tropicais no mundo. O cerrado é o segundo maior bioma do país, mas a savana é ainda a mais rica em biodiversidade do mundo, segundo dados do WWF [Fundo Mundial para a Natureza, em português].
Durante o lançamento do programa, foram divulgados dados de dois projetos de acompanhamento do cerrado. Os resultados mostraram o bioma tem aproximadamente 55% de seu território preservado e os 45% restantes têm outros usos, com predominância de pastagens e agricultura.
“A boa notícia é que muitas pessoas achavam que nós tínhamos menos cerrado, mas temos mais cerrado com vegetação nativa preservada”, afirmou a ministra.
Izabella Teixeira disse que o monitoramento feito inicialmente na Floresta Amazônica foi estendido para o cerrado, e que o novo programa pretende estendê-lo, em 2017, para a Mata Atlântica. No biênio 2017/2018, entram no esquema o pantanal, a caatinga e os pampas, abarcando assim todos os biomas brasileiros.
“Nós fizemos aqui toda uma trajetória do que é necessário ter para que o Brasil possa firmar uma estratégia de monitoramento de biomas com os dados de desmatamento, queimadas e de recuperação, para o Brasil estar pronto, em 2020, para a implementação de sua INDC [Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida] de clima”, afirmou a ministra.
INDC – A INDC [Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida] é um documento que contém o que cada país pretende fazer para reduzir as emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE). A proposta brasileira foi apresentada em setembro pela presidenta Dilma Roussef, na ONU, em Nova Iorque. Em dezembro, o documento deverá ser ratificado durante a COP-21, em Paris. A INDC começará a valer a partir de 2020, quando termina o período de cumprimento do Protocolo de Quioto.
Cerrado – O bioma cerrado concentra quase 5% de todas as espécies do mundo e 30% da biodiversidade do Brasil. No entanto, segundo dados do WWF, menos de 10% de todo o cerrado são ocupados por unidades de conservação e menos de 3% são unidades de proteção integral.
O desmatamento, as queimadas e a agropecuária são exemplos das principais ameaças para a conservação das espécies. de acordo com o WWF, uma em cada 4 espécies ameaçadas de extinção no Brasil vive no cerrado. Animais como o lobo-guará, a onça-pintada, o tamanduá-bandeira e a anta, espécies emblemáticas da região, estão ameaçados de extinção.

Fonte: Ambiente Brasil

Voltar
 Ama Sc
Downloads
AMASC - AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE - Todos os Direitos Reservados
Rua Leopoldo Ledra, 585, Santana e
Parque Universitário Norberto Frahm - Rua Herculano Nunes Teixeira, 105 - Bairro: Centro - Rio do Sul-SC - CEP 89160-000
Fones: (47) 3521-2324, (47) 3521-3000 e (47) 9951-3123
atendimento@amasc.com.br